Go Green P-Life uma solução eco-amigável

Go Green P-Life uma solução eco-amigável 4 maneiras comprovadas que o aditivo oxi-biodegradável Go Green P-life não gera micro-plásticos

08/02/2019 | 57 Views

Existem 4 maneiras comprovadas de que o P-Life é a solução mais adequada para o problema do descarte inadequado do plástico e o mesmo não gera micro-plastico!

 

1 - Biodegradabilidade Verdadeira

 

O P-Life é o único produto no mundo que passou no teste de biodegradabilidade SPCR141. O Instituto SP (agora chamado de RISE) é o instituto científico mais respeitado da Escandinávia.

Segue também o link do Certificado de Biodegradabilidade no site sueco que comprova a existência do mesmo: http://publiccert.extweb.sp.se/en/Product/List/933

O certificado SPCR141 é um padrão rigoroso de aprovação / reprovação criado pelo instituto SP especificamente para testar a biodegradabilidade de aditivos plásticos em relação a PE e PP. É de longe o mais abrangente e rigoroso teste de biodegradabilidade disponível na indústria. Leva no mínimo 2 anos para ser conduzido em ambientes reais e também é extremamente caro. Até agora, o princípio ativo P-life é o único no mundo a conseguir passar por essa certificação.

No certificado de biodegradabilidade conclui o seguintee: "91% de biodegradabilidade foi alcançada sem atingir uma fase de platô. Este resultado tem duas implicações importantes. O mais importante é que é possível criar materiais à base de LDPE que se biodegrade no solo em 2 anos, periodo que o teste é feito. Também indica que o risco de fragmentos plásticos permanecerem no solo indefinidamente é muito baixo ".

SP Institute (agora chamado RISE) relatório de teste, metodologia e certificado.

Ver Certificado de Biodegradabilidade

Ver Norma ASTM D 6954-4  

Ver Norma SPCR 141 

Ver Apêndice 4 da norma SPCR 141 

 

Toxicidade do solo e germinação de sementes

 

O teste SPCR141 não testa apenas a biodegradabilidade. É considerado abrangente porque também testa que o produto não prejudica o solo, a vida vegetal ou o meio ambiente. Isto é conseguido através de um teste de toxicidade do solo e germinação de sementes. Um produto plástico contendo o aditivo P-Life é deixado no solo por dois anos, até que ele seja totalmente absorvido e se torne biodegradável. O solo é então testado no laboratório quanto à presença de metais pesados, tóxicos e contaminantes. Eles levam isso um passo adiante e plantam sementes no mesmo solo e cultivam até a maturação completa. O crescimento das plantas é observado para quaisquer anormalidades e, em seguida, analisadas para quaisquer contaminantes. O P-Life também passou nesta seção do teste, e descobriu-se que ela é inofensiva para o solo e ajuda totalmente no crescimento saudável das plantas. Nenhum outro teste análisa profundamente o impacto ambiental de um aditivo biodegradável.

Instituto SP (agora denominado RISE) Toxicidade do Solo e Teste de Germinação de Sementes 

 

Nenhum dano ao fluxo de reciclagem

 

 Ao contrário de outros produtos no mercado, a P-Life foi testado para não prejudicar a integridade do produto final reciclado de plástico.  O aditivo P-Life foi criado para ajudar, em vez de prejudicar, a indústria de reciclagem, apenas biodegradando embalagens não coletadas. O SP-Institute realizou o teste separado em um cenário extremo em que 100% do material reciclado continha P-Life. O teste concluiu que não apenas o equipamento de reciclagem não era afetado, mas o produto final também estava ileso. A razão para esse resultado é que o componente ativo da P-Life foi projetado para sobreviver apenas a um único histórico de aquecimento.

 Teste de reciclagem do Instituto SP - Ver certificado

Segurança para plásticos alimentícios

 O P-Life não contém metais pesados e nenhuma tóxidade como: Mercúrio, cobalto ou chumbo, que possam prejudicar a saúde ou o meio ambiente.

 FDA & ROHS contato com alimentos e teste de migração química.

 No Brasil, nosso Princípio Ativo P-Life foi certificado pela SGS Brasil e está de acordo com a Lista Positiva da Anvisa, ou seja: 

Atende as exigências do mercado, principalmente em embalagens primárias.

Ver Certificado

 

2 - Qual o nível de micro plástico remanescente após a degradação do P-Life?

 

No SPCR141, o P-Life foi testado para provar a degradabilidade por uma combinação de processos de degradação abióticos e subsequentes (degradável A + B) de acordo com o Apêndice 4 do SPCR 141, que está de acordo com ASTM D 6954: “Expondo e testando Plásticos que se degradam no meio ambiente por uma combinação de oxidação e biodegradação ”.

 O procedimento do teste vai além da norma ASTM D 6954, testando em três níveis para acelerar e medir a perda de propriedades e peso molecular pelo processo de oxidação térmica (Tier 1), medindo a biodegradabilidade final (Tier 2) e avaliando o impacto ecológico dos produtos (Nível 3).

A metodologia de teste SPCR141 analisa especificamente o CO2, ao medir a extensão da biodegradação.

Como os Oligômeros (Micro plásticos) derivados do Polietileno são feitos de monômeros de hidrocarbonetos, as partes do teste SPCR141 para fazer especificamente com o CO2 medido são especialmente relevantes.

A amostra de polietileno usada no teste de biodegradabilidade subsequente é examinada para a quantidade total de carbono orgânico e inorgânico antes do teste.

De acordo com o SPCR141, se um material consistindo de um único polímero (homopolímero ou copolímero aleatório) não atingir 90% durante o período máximo de 24 meses, mas atingir mais de 60% (absoluto) sem atingir um patamar, isso é considerado uma prova que o material é biodegradável (baseado na norma ISO 17556).

 

De acordo com o SPCR141, o resultado do teste de biodegradabilidade baseado nas emissões de CO2 acima no solo após 607 dias foi “79% e continua aumentando”.

 

O teste afirma que, como os níveis de CO2 ainda estão aumentando, isso significa que há poucas chances de os monômeros baseados em carbono permanecerem no solo após dois anos.

Em outro relatório publicado pelo conhecido Elsevier Scientific Journal (Já Fornecido) após o estudo abrangente do P-Life, eles chegaram à mesma conclusão. Ver publicação científica

 

3 - Qual é o impacto ambiental de liberar (quantidades maiores de) estearato de manganês no meio ambiente?

 

Primeiro, vamos olhar para o valor real.

Quando você dosar 1% de P-Life em produtos plásticos, cerca de 200 ppm de estearato de Manganês devem estar contidos nos produtos.

A parte de ácido graxo do sal metálico, como ácido esteárico, como ácido carboxílico, seria biodegradada sem dúvida, portanto, a questão é a parte metálica; manganês que está em torno de menos de 10ppm no caso de dosagem de 1%.

Portanto, 10ppm de manganês no caso de dosagem de 1%.

O manganês é um micronutriente vegetal. Ele cumpre uma série de papéis e é usado na fotossíntese (manganês é importante para vários aspectos da fotossíntese), síntese de clorofila e absorção de nitrogênio, bem como a síntese de riboflavina, ácido ascórbico e caroteno.

Para um solo saudável e produtivo, a concentração de manganês deve ser de 10 a 50 mg / kg (10 ppm a 50 ppm). Portanto, sabemos que a quantidade contida em uma sacola com P-Life não é grande.

 

4 - Mais importante, nós passamos no teste de Eco toxicologia como Tier3 do SPCR141 realizado pelo Instituto SP da Suécia.

 

Se a quantidade de estearato de Manganês liberada no solo fosse tóxica, não passaríamos no Teste de Toxicidade do Solo ou no Teste de Germinação e Crescimento da Planta.

SPCR141: Toxicidade do solo e teste de germinação de sementes.

 O teste SPCR141 não testa apenas a biodegradabilidade. É considerado abrangente porque também testa que o produto não prejudica o solo, a vida vegetal ou o meio ambiente. Isto é conseguido através de um teste de toxicidade do solo e germinação de sementes. Um produto de plástico contendo o aditivo P-Life é deixado no solo por dois anos, até que ele seja totalmente biodegradável. O solo é então testado no laboratório quanto à presença de metais pesados, tóxicos e contaminantes. Eles levam isso um passo adiante e plantam sementes no mesmo solo e cultivam até a maturação completa. O crescimento das plantas é observado para quaisquer anormalidades e, em seguida, analisadas para quaisquer contaminantes. A P-Life também passou nesta seção do teste, e descobriu-se que ela é inofensiva para o solo e apoia totalmente o crescimento saudável das plantas. Nenhuma outra modalidade testa isso profundamente no impacto ambiental de um aditivo biodegradável. Instituto SP (agora denominado RISE) Toxicidade do solo e teste de germinação de sementes 

Estamos a disposição para esclarecer qualquer dúvida!

 

 

4 maneiras comprovadas que o aditivo oxi-biodegradável Go Green P-life não gera micro-plásticos

Eco Ventures Bioplastics

Conheça o Go Green P-Life

Como pioneira e uma das líderes em tecnologia sustentável na América Latina, a Eco Ventures Bioplastics é responsável por produzir e comercializar, no Brasil, resinas biodegradáveis que podem ser utilizadas em materiais rígidos ou flexíveis, auxiliando empresas transformadoras de derivados poliolefínicos no cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Saiba Mais